Cidades de Papel não foi um livro que, ao ler, me marcou. No entanto, sua história, seus diálogos, personagens e, quem sabe, todo o ar de "adeus, colégio" conseguiu me tocar de alguma forma. Assistindo a adaptação cinematográfica um ano depois de ter lido o livro, sinto que tudo faz ainda mais sentido e que a história se desenvolveu mais intensa e encantadoramente aos meus olhos. 

Quentin é apaixonado por Margo desde que a mesma se mudou para sua rua. Logo se tornaram amigos, mas com o passar do tempo, os dois foram se afastando. Margo se tornou uma das garotas mais legais de todo o colégio. No último ano do Ensino Médio, Quentin jurava que já nem pensava mais nela. Isto é, até a mesma aparecer na janela de seu quarto e trazer à tona toda a paixão que estava somente guardada. Ela pede seu carro emprestado e o arrasta para uma aventura durante a madrugada. No dia seguinte, ela some, deixando algumas pistas para trás, e Quentin decide segui-las. 

O elenco não é muito conhecido, mas tem seu carisma. Adorei Nat Wolff no papel de Quentin, sua atuação me pareceu muito natural e simples, como se o ator estivesse bem confortável com o papel, isso acabou por se encaixar com a personalidade do próprio personagem. 


Eu gosto de filmes sobre roadtrips. Talvez, Hollywood tenha embelezado tanto o ato de sair dirigindo estrada a fora, que assistir a uma roadtrip se tornou mais interessante do que, de fato, se aventurar em uma. Em Cidades de Papel, a roadtrip é a parte mais engraçada, que serve de empurrão para o fortalecimento dos laços entre os personagens e de grande significado para a história em si. 

Quando soube da adaptação, fiquei com um pouco de pé atrás. Acreditava que Cidades de Papel poderia ser um livro de difícil adaptação para o cinema e que muito provavelmente sua essência se perderia nos acontecimentos. De fato, a história ganhou um nova essência - ou melhor, não diria nem que nova, somente com novas rédeas -, que não me desagradou em nada. O filme se mostrou melhor do que eu esperava e para minha maior surpresa, não muito diferente de como eu imaginava tudo quando li o livro. E quer saber? Eu adoro essa sensação. 

Os livros de John Green têm todo um ar único que se mantém presente em cada um deles - isto é, características da escrita (ou até mesmo personalidade) do autor que escorregam para as páginas e parecem se encaixar perfeitamente. Com as adaptações cinematográficas de seus livros, não é diferente. Há todo um ar bem particular em volta de suas histórias - que demorei muito para me acostumar, mas que passou a me agradar. Talvez seja a trilha sonora escolhida a dedo dando um empurrão. 


Seja o que for, Cidades de Papel é o tipo de história que eu gostaria de dar um abraço, simplesmente por dar, por ser agradável. Para mim, a cena final é impecável e dificilmente existe uma forma melhor de terminar o filme. Apesar de ter gostado do filme inteiro, o final é a minha parte preferida. 

Pode-se dizer que é uma história que trata sobre muitas coisas, mas não, a principal delas não é o conceito cidade de papel - que muito me intriga, para ser sincera. É sobre juventude, e isso inclui: amor, aventura e a constante sensação de estar perdido. Um pacote cheio para os que buscam um filme leve e divertido. 

Leia a resenha do livro Cidades de Papel clicando aqui

6 Comentários

  1. Oi, Rebecca!
    Cidades de Papel também não me agradou muito, mas mesmo assim estou curiosa pela adaptação e vendo sua opinião fiquei ainda mais com vontade de assistir.

    Beijo.
    livrosdawis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assista sim, tenho certeza que você não irá se arrepender! XD

      Excluir
  2. Muito boa resenha! É realmente um filme muito interessante, tranquilo e divertido. Uma ótima opção para assistir com alguém que você goste muito hehe :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com tudo o que você disse! hehe <3

      Excluir
  3. Olá!

    Eu li apenas A Culpa é das Estrelas de John Green, achei muito bom e fiquei com vontade de ler os outros livros dele. Mas com o tempo, a vontade foi passando e hoje não tenho mais tanta vontade xD Quem sabe o filme me empolgue?

    refugiorustico.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele tem livros bons, realmente recomendo! :)

      Excluir